José Tadeu Alves
Arte é movimento, sua alma está em chama, então você cria...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Menina moça secular
mineira que não envelhece.
Cidade de mil encantos
desde o princípio dos contos
Fazenda da Borda ou Princesa dos Campos
O Brasil lhe reconhece.
Berço de grandes políticos,
Poetas, artistas do cenário nacional.
És também Caminho do Ouro,
Pouso de Tiradentes
e das rosas.. a capital.
Acervo de grande tesouro,
Caminho novo, berço da estrada real.
Terra de gente simples e estudiosa,
trabalhadora, tranqüila e carinhosa,
coração aberto em festa e rosa...
terra das alterosas!
Inesquecíveis amanheceres e
e inigualáveis pores-de sol, cidade cumplicidade,
história, cultura, música, religiosidade,
procissão, atitude e família.
Oh, Barbacena querida!
Terra de gente simples e bonita...
Nunca hei de esquecer essa gente amiga...
Seus mistérios, Igrejas, ruas, becos, bairros,
praças e avenidas...
Ladeiras... melhor lembrar das descidas...
Dos Andradas, Globo, Rosário,
Conde de Prados, Campo e Monte Mário...
Parque de Exposições e o coração bate forte de saudade...
Veja a matriz da Piedade...Rua XV, Tiradentes ou Boa Morte,
Beco XIII, Presidente Kennedy, Rua Sete ou
Bias Fortes...Escola Agrícola, Cabana,
Sericícola ou Epcar. E do 9º Batalhão, que bela visão, lhe ver de lá!
Santa Efigênia, Rua Pernambuco, Cruzeiro, Alagoas, Stª Luíza, Stº Antônio, Alto do Caça e Pesca, tão bém-te-vi de lá...
Pontilhão, Fazenda do Galo, Mata do Paulino...
onde fui menino, e brinquei por lá...
Solar dos Andradas, Escola Agrícola e Estação...
Jubileu da Basílica de São José Operário;
Fábrica São José, que não é no bairro São José,
Malharia Cruzeiro e Ferreira Guimarães que são...
Estrada de Ferro, Ponte seca, túneis e o Campo de Aviação...
Bairro do Carmo, Funcionários e São Sebastião...
Assistência e hospital Colônia, antigo matadouro...
São Cristovão, Água Santa, Boa vista, Bom Pastor,
Caminho Novo, Bairro do Campo, Carmo, Colônia Rodrigo Silva,
Diniz e Grogotó, Ipanema, Jardim e João Paulo;
Monsenhor Mário Quintão, Nossa Senhora Aparecida, Pinheiro Grosso, Ponte do Cosme, Santa Teresa, São Cristóvão, São Francisco e São Geraldo, São Pedro, Valentim Prenassi e Vilela em fim...
Quantas lembranças!
E os bons tempos de Cinema...
Cine Pálace, Orfeu, Apolo e cafezim...
Bons tempos, que não voltam mais!
Os carnavais... A voz do Povo, Vila e Tijuca?
Ainda existem os blocos tradicionais...
O futebol, Olimpic, Vila, América e Andaraí,
Ainda estão por aí?
Os Clubes, os Bailes... Barbacenense, Andaraí, Olimpic e Sindicato?
Quanta emoção, nestas noites eu já senti!
E o Programa de Auditório do Barboza?
Os antigos e românticos programas de rádio?
Correio da Serra e Radio Barbacena!
Quanta nostalgia...
Hoje tem a Sucesso... Estas emissoras que aquecem
as noites frias e ritimam as ventanias...
As conversas com Isabelinha...
Os “filmes” com Django ou os Gritos do Botina...
Os gritos matinais do padeiro... Ou os bate-papos de esquina...
E os macacos que moravam na praça?
E o Sr.GMC, que gritava “galoooooo” com toda graça...
E meus queridos amigos? Como esquecê-los?
Barbacena, fugiria eu de ti, como artista tão-somente,
para de longe admirá-la...!
De ti, eu levaria apenas um luar...Talvez um pouco neblina,
para dizer a todos, que aí nasci...
Ou se pudesse, a levaria inteirinha em minha mala,
abriria com carinho todos os dias, para sentir o calor de minha família...
Barbacena...
Meus olhos se enchem d´água!
Onde conheci os primórdios sentimentos de meu ser...
Me perdoe, se a ti confio um pouco de minhas mágoas...
Em teu solo chorei como muitos, fiz de tudo para não deixá-la!
Ainda pequeno, espelhei-me em meus pais, 
Antônio e Jovita, a importância de trabalhar para vencer na vida...
Quando menino,fui engraxate, em um escritório JM, fui auxiliar...
Nas artes, em teu solo muito me expressei...
fiz tua imagem em desenho, e a óleo, e a muitos lugares levei!
Mas o tempo não espera, a vida é dura, não é quimera,
eu tive que ir embora!
Ainda guardo em minhas lembranças, o olhar de minha mãe,
observando minha partida!
Hoje, vivo distante... Sou mais um Barbacenense ausente!
Vejo com saudade, tudo, como se fosse agora...
Os luares... e as estrelas mais brilhantes...
Que também luzem minha Barbacena querida...
Em tudo parece um sonho...
que em ti, estarei sempre presente...
José Tadeu Alves
Enviado por José Tadeu Alves em 21/02/2009
Alterado em 16/08/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de José Tadeu Alves). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários