José Tadeu Alves
Arte é movimento, sua alma está em chama, então você cria...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

Síndrome do pânico

Tantas vezes, ficamos  com medo de dormir....
Perdemos o sono, com medo do medo de ter medo!
Outras vezes, dormimos com medo de não acordar...
Assim como, acordamos na incerteza, que de fato estamos acordados...
Este mundo é belo, mas tudo é mistério... tudo é segredo!
Tudo é inseguro e mete medo! Daí, surgiram as doenças
psicossomáticas... evoluídas à síndrome do pânico, toc´s e etc...
Haja refúgio! Haja apoio!
Muitas vezes carecemos de um simples abraço, basta um abraço e pronto!
Estamos refeitos... Mas nem sempre somos vistos e ouvidos;
nossos lábios, são imobilizados pela pressa e urgência de tudo!
Hoje em dia tudo é rápido...tudo tem que ser pra ontem...!
Se nasce sofrido, se vive sofrendo, e se morre num segundo...!
Torna-se velho tão cedo, que não se vê o curto tempo cumprido!
Será que esse mundo tão lindo, é como um jogo incompleto...?
Se prestarmos atenção, naquelas varandas do interior,
ainda poderemos ver, aquelas cenas;
um lindo senhor, de brancas barbas, gesticulando devagar,
mostrando o endereço certo a forasteiros da capital...
Seu olhar de bondade, reflete aos nossos olhos, uma longa vida
cheia de histórias e fantasias...Coisas que nos
remetem ao mundo dos sonhos...!
Apelemos então, para o mundo dos sonhos...
É muito difícil ser concreto!
Será que estamos sozinhos nisso...Será que existem
outras pessoas, como nós, lá no mundo dos sonhos...?
Será que, só eu que leio, tenho um mundo, onde sou o governante?
Será que só eu, sou “Um pequeno príncipe”?
Pelo menos neste mundo, todos são importantes...!
Não há rico, nem pobre, nem plebeu nem nobre...
Gosto mesmo, é mundo dos sonhos!
Lá, se machucamos, não dói...Se caímos, levantamos e
voltamos a correr tranquilos pela floresta...
Poderemos optar entre correr e voar...
Teremos asas ou invisibilidade...
No mundo dos sonhos, existem leis interessantes!
A lei do mais forte que fica fraco...Ou, o mais fraco, que tem força!
Arma que não fere... remédio de prana...
Os mortos que  ressuscitam...Castelos dourados...E,
hospitais e leitos vazios...pois que, não existem doenças!
Todos os filhos ficam perto e nunca crescem...
Mães que nunca deixam seus filhos ao léu.
Homens que tiram o chapéu...
Máquinas que voam sem motor...
Gente de bem com atitudes de bem.
Animais livres e soltos....
Amizade verdadeira...
Planeta sem hecatombes....
Matas imaculadas....
Águas límpidas...
Políticos que cuidam do povo...
Vacinas para todas as doenças...
Um Deus para todos sem fanatismos...
Músicas, arte, poesias e aforismos...
Naves que nos  levam às estrelas...
Nunca precisamos dormir de carteira...
Sonhar é uma maravilha...!
Pior seria, um mundo de pesadelo!
Pesadelo... é ligar a TV todos os dias,
e ver carros-bomba e bala perdida...
Gente violenta matando sem motivo!
Bandido virando herói... e tendo seguidores!
Aluno achando normal agredir professores!
Pais sepultando seu filhos em idade escolar....
Não esqueçamos “daqueles que mataram os filhos sem saber!”
Vivamos o mundo dos sonhos... onde o trânsito é livre....
Onde não precisamos tremer de medo da polícia,
que sempre tem endereço certo;
que se mostra ativa, em blitz, enquanto os bandidos
ficam livres para assaltar,
numa chuva de relâmpagos-sequestros...
Vivamos num mundo dos sonhos!
Onde ser pai e mãe, é ser respeitado e amado (de graça)!
Onde viver valha a pena, e existir, não é dilema.
Que um sonho seja realidade, e não a realidade
um pesadelo...
Aceitemos e reflitamos este apelo:
Vale a pena sonhar...?
Enquanto isso, no canto da sala dos sonhos...há mais um gatinho se embolando no novelo...



José Tadeu Alves
Enviado por José Tadeu Alves em 23/04/2009
Alterado em 02/09/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários