José Tadeu Alves
Arte é movimento, sua alma está em chama, então você cria...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Ao meu pai
                                 Antônio José Alves

Todos os dias me vens...
em pensamentos!
Ainda espero por sua visita...
Mesmo depois de tantos anos
que partiste...
Ainda me pergunto, por quê?
Porque teve que ser assim!
Ainda realizo rituais caseiros, na esperança
de sua chegada!
Vejo tantos por aí....que têm,
no entanto, não valorizam e até abandonam!
Tenho visto muitos cabelinhos brancos por aqui, que adorariam
receber seus filhos em um profundo abraço!
Mas não o vejo...
Às vezes, quando estou em meio a multidões,
feiras e mercados... tenho um friozinho na barriga,
iludindo-me, aproximando devagar... pensando ser você!
Mas não fique zangado...pois sei que és
inconfundível, elegante e bem talhado...distinta presença.
Quantas vezes olho pela janela na esperança de vê-lo
chegar em minha casa...Com aquele olhar reflexivo e profundo...
Vestindo aquele terno marrom e sua valise de couro...
Passos lentos, já cansados de tanta luta!
Pai.
Será que Deus esqueceu de algum detalhe?
Será que a nossa convivência aqui,
tinha que ser tão breve!
Porque não ficou mais tempo, para usufruirmos
nossas boas colheitas!
Pai,
Tu estais gravado em mim...
Estais guardado em meu peito
feito tatuagem ou cicatriz...
Tenho muito orgulho de ti...
Ser seu filho, foi minha sorte!
Aprendi muito, no pouco tempo
em que convivi com você!
É certo que se estivesses aqui,
a minha vida seria bem mais feliz!
Sempre que faço algo de bom e
que muito me diverte, faço de conta,
que estais presente...
Sempre fomos bons companheiros,
confrades viajantes e caminheiros...
Pai,
Sempre vou lembrar me de você!
Atitudes calculadas, ideias brilhantes...
histórias bem contadas...vidas e experiências!
Modelo de hombridade e honradez
honestidade, fé, caridade e nobreza!
Pai,
Se puderes, vez em quando,
me visite de novo!
Ainda povoe meus sonhos...
Pra você,
ainda sou criança indefesa;
carente de sua presença,
Venha sentar-se à mesa.

Inesquecível Oração que meu pai sempre fazia à mesa:
Senhor abençoe a comida que vossa liberalidade nos concede,
dignai-nos ao Reino da Eterna Glória, admitimos a mesa celestial,
amém.

 

 

 

José Tadeu Alves
Enviado por José Tadeu Alves em 09/07/2009
Alterado em 25/02/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários