José Tadeu Alves
Arte é movimento, sua alma está em chama, então você cria...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Óh fria solidão...
Por que insistes em
 me ser companheira!
Sabes bem, que agora
eu não lhe desejo perto assim...
Pode ser que às vezes
eu até lhe aceite,  e lhe faça vista grossa...
Mas não me venhas agora com essas propostas...
Querendo hospedar-se juntinho de 
mim!

Pois prefiro eu, lhe ser hospedeiro...
É melhor que seja sempre assim...
Solidão,  
entenda-me:
Tenho que ser verdadeiro!
Para que eu não sofra com sua ambígua presença...
Desejo conhecê-la bem melhor primeiro!
E depois convidar-lhe-ei,  naqueles momentos precisos...
Em que eu esteja meio indeciso,
sem saber bem o por quê!
 Num  conciso silêncio ou
em um momento narciso;
 mesmo assim, só se for preciso!
 Eu chamarei por você!
Mas agora não solidão;
não te preciso!
Por isso, peço-lhe:
Só me venhas nas horas em que for convidada!
Não arrisques de novo ser negada!
Não recaia nesse ávido processo...
Cara solidão:
Espero que me compreendas!
Jamais lhe direi, que nunca precise de você!
Claro que tem horas que até pode ser...!
Mas agora, não é boa hora, 
desculpe:
Não lhe posso receber!
 Vai-te embora!!!
Prometo-lhe,
que quando for a hora...
Voltarei a
lhe
escrever...

 

 

 

 
José Tadeu Alves
Enviado por José Tadeu Alves em 23/01/2013
Alterado em 29/03/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.


Comentários