José Tadeu Alves
Arte é movimento, sua alma está em chama, então você cria...
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil PrêmiosPrêmios Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos

A dor da saudade
Saudade...
É um sentimento dolorido.
É algo que  sinto, mas não entendo...
É um sentimento que parece fácil dizer
e difícil de sentir.
É subentendido.

Saudade é um desses poderes
que nos dominam com facilidade,
e aos poucos nos minam até meio sem jeito,
aperta tao fundo no peito,
rimando com a maldade...

Saudade...
Sinônimo de tudo
que nos leva ao longe...
É solidão de monge...
Voo de pássaro solitário.

Saudade,
é caminhar sobre espinhos...
É mostrar o corte aos ventos...
Nos mais altos campanários...
É fugir, rezar sozinho em
silêncio no cantinho
do santuário...

Saudade
é o caminho contrário da felicidade.
Até lembra poesia,
mas combina mesmo,
é com heresia,
pois castiga a gente com vontade.

Saudade,
é algo quase inexplicável..
É um monstro infeliz e indomável!
É um mal incurável.
É crueldade.

Saudade dói assim constante...
Parece algo frio e cortante
não tem remédio,
não cura com nada...
Sempre vem, quando não se espera.
Aparece se fazendo de importante,
correndo feito uma fera
e nos impõe ao
seu modus operandi.

Saudade,
é um corredor escuro.
Nos põe assim de castigo,
nos arrebata a presságios
de perigo
e sempre nos convida,
ao isolamento constante.

Saudade marca...
É barco a vapor...
Só se move a ferro e fogo!
Existe, fingindo ser um mal necessário...
Mas eu preferiria afugentá-la...
ou trancafiá-la,
num cofre escondido,
ao fundo de um armário....

Saudade é dor conta-gotas.
Dói devagar e sempre...
Parece gostar de ver
o sofrimento da gente,
e sempre tem a tristeza a seu favor.

Saudade é mesmo assim..
Um sentimento meio ambíguo!
Nos coloca sempre, tão distante
de tudo que queremos,
e quase sempre, nos mostra a face
do inimigo...

Saudade é tudo
que não desejamos!
Parece um filme em que participamos,
fingindo que temos tudo aquilo que queríamos,
e no entanto, temos
somente a lembrança
daquilo que precisamos.

Saudade dói...
Com a nobreza da lâmina de um samurai...
Saudade é tudo o que resta... de tudo que é bom...
Saudade é tudo de sobra do amor...
Atravessa a nossa alma como o vento frio...
E explode no silencioso rio dos olhos...
Na quietude das noites....

Saudade é uma dor!

Essa dor danada...!
Que dói feito corte de espada...
Atravessa a nossa alma,
como o vento frio da madrugada.

Saudade!
Gostaria de nunca senti-la!
Se para isto existisse escolha,
assinaria o meu nome numa folha,
e seria o último da fila!







José Tadeu Alves
Enviado por José Tadeu Alves em 08/06/2011
Alterado em 03/10/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários